Contos da Meia Noite: O Jogo do Copo

O Jogo do Copo


Essa historia aconteceu comigo há 5 anos (na época tinha doze anos). Eu, meu primo Luís Carlos, Meu amigo Lucas e minha amiga Deborah, estávamos pesquisando sobre histórias de terror, quando achamos um descrição sobre o jogo do copo. Luís Carlos teve a idéia de fazê-lo.

Eu e a Deborah não queriamos pois éramos muito medrosos… mas mesmo assim aceitamos a idéia; e como era sexta feira e já era quase meia noite meu primo falou: “A noite está perfeita para fazer esse jogo”. Pegamos tudo que precisavamos e iniciamos a brincadeira. Luís Carlos colocou o dedo no copo e depois disse: “Por que o casal medroso não inicia com as perguntas?” isso deixou tanto eu quanto a Deborah bravos. Ela me disse para ir primeiro. Perguntei se havia algum espírito, porém após a pergunta o copo não se mexeu.

Depois a Deborah fez a mesma pergunta que eu e nada aconteceu. Lucas então perguntou:” Tem algum espirito ai sim ou não porra!”- E quando vimos o copo já estava no sim. Nós começamos a rir pensando que era uma brincadeira do Luís Carlos, mas ele nos olhou com ar assustado e disse que não tinha feito nada. Eu então perguntei: – “E-espirito vc é bom?- O copo se mexeu pro não, e todos viram que o Luís Carlos não estava brincando. Depois a Deborah começou a ficar mais assustada que o normal e pedi a ela para perguntar de poderia sair do círculo. Ela segurou na minha mão, apertou com força e perguntou: -“E-espirito p-p-posso sair?”- O copo se moveu para o sim e o Luís Carlos disse: – ” Ótimo medrosa. Agora vai dormir. – Débora respondeu: “Só se o Félix sair”. Olhei pra ela e sorri satisfeito por não querer me deixar sozinho nessa. Perguntei: -” Espirito posso sair?- Para minha sorte o copo moveu para o sim. Depois disso eu e a Deborah fomos dormir. Dormimos no mesmo quarto, a cama que ela dormia estava ao lado da minha. Ficaram só o Luís Carlos e o Lucas.

Lucas ficou com medo e perguntou se podia sair. O espirito respondeu com o copo: Não. Lucas começou a sentir falta de ar e o Luís Carlos rapidamente pegou um copo de água para o Lucas. Quando eles olharam para o copo da brincadeira, ele estava flutuando no ar e depois quebrou. As portas começaram a bater, pratos quebraram, copos flutuavam e caiam no chão. Logo em seguida os dois correram para o quarto onde eu e a Deborah já estávamos dormindo e nos acordaram assustados. Ela pediu para mim abraçá-la para acalma-la.

Ficamos assim durante algum tempo, até as batidas da porta e janela pararem. Sai com Déborah para recuperar o fôlego, quando tudo recomeçou. Resolvemos não entrar em casa.Luís Carlos e o Lucas chegam correndo e pediram para ajudá-los a abrir a porta, pois algo havia trancado. Nesse momento um faca voou na direção de Lucas e fincou no braço dele. A faca começou a brilhar como se em chamas, e apareceu os seguintes dizeres: Nos Vemos no Inferno.

Depois daquele dia nunca mais jogamos o jogo do copo. Hoje tenho 17 anos. Eu e Deborah ainda nos lembramos disso. Sentimos tanto medo que temos até dificuldade pra dormir. Lucas e o Luís Carlos não gostam nem de tocar no assunto.

Fonte: Uchihabakura
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org

Contos da Meia Noite - OpenBrasil.org
Página anterior Próxima página